Módulo 3 | Métodos de Ensino-Aprendizagem da Oralidade

Aula 1 | Ensino-Aprendizagem da Oralidade em Língua Primeira

ENSINO-APRENDIZAGEM DA ORALIDADE EM LÍNGUA PRIMEIRA

Antes de iniciar com a reflexão teórica e prática sobre a planificação didáctica do ensino-aprendizagem da oralidade em língua primeira, vamos fazer a actividade que nos é proposta a seguir.


Actividade 1
Técnica didáctica Interacção aos pares/ pequenos grupos – Reflexão.
Conteúdo O ensino da oralidade numa língua primeira.
Habilidades a desenvolver no(a) formando(a):
  • Opina acerca das melhores técnicas passíveis de serem empregues para o ensino da oralidade nas línguas moçambicanas;
  • Reflecte como formando do momento e professor do futuro acerca da relevância ou não do ensino da habilidade do oral em uma língua primeira.

Houve uma óptima reflexão em torno desta questão? Apresentaram bons argumentos sobre a relevância do ensino-aprendizagem da oralidade na língua materna? Agora leiam o texto a seguir para o enriquecimento dos vossos argumentos.

Realizada a actividade 1, que consistia em reflectir sobre o ensino da oralidade numa língua primeira, leia os apontamentos a seguir e concentre-se nas principais ideias sobre o porquê ensinar a oralidade nas línguas moçambicanas, principalmente nas classes iniciais, no contexto da Abordagem Comunicativa (AC).


Por que ensinar a oralidade nas línguas moçambicanas em classes iniciais?

A língua é, essencialmente, um código de comunicação. A oralidade constitui o primeiro estágio de aquisição de uma língua. Todavia, a expressão oral tem sido negligenciada na escola, sobretudo quando se trata da língua materna do aluno. O fundamento de muitos professores (e também de pais e encarregados de educação) é de que a língua materna já é do domínio da criança e, por isso, as habilidades de ouvir e falar já foram desenvolvidas na primeira infância.

Ouvir e falar são habilidades que o professor deve desenvolver continuamente nos seus alunos de modo a torná-los bons ouvintes e excelentes oradores. Neste contexto, o professor deve ser o primeiro modelo de uso das línguas moçambicanas na sala de aula, deve ser o exemplo de um bom ouvinte, de um bom falante e, sobretudo, de um excelente orador e deve saber explorar a diversidade linguística da turma. Cabe ao professor ajudar o aluno a adequar a sua produção à intenção comunicativa, ao estatuto do locutor e ao contexto. O professor deve orientar o aluno a detectar e a reter o essencial, a descobrir os significados implícitos no que ouve.

Para o desenvolvimento da habilidade de ouvir, as crianças são estimuladas, desde cedo, a distinguir matrizes da sua língua materna. Por exemplo, a distinção dos sons da língua, a entoação, a organização da frase, etc. Contudo, não se pode considerar que a capacidade auditiva desenvolvida na primeira infância seja suficiente para uma comunicação oral ao longo da vida (na escola e na sociedade).

A habilidade de falar não se resume, apenas, em pronunciar bem os sons de uma língua. É preciso saber utilizá-los na comunicação em diversas situações do quotidiano (na escola e fora dela) e com autonomia.

Falar é atinente à habilidade oral, mas comunicar não se restringe à oralização dos sons da fala. Por isso, o professor de línguas precisa de buscar alternativas junto aos aprendentes (alunos) surdos ou com outras limitações de linguagem e de fala, de modo a proporcionar-lhe as mesmas oportunidades de e para comunicação em sala.

Neste contexto, é responsabilidade do professor da língua primeira adoptar estratégias que permitam aos alunos desenvolver competências específicas do domínio oral (compreensão e expressão oral).

O programa da disciplina de língua moçambicana, do primeiro ciclo, prevê vários conteúdos para o desenvolvimento das habilidades de ouvir e falar na sala de aula (família, vestuário, corpo humano, cumprimentos/saudações, apresentação/identificação do próprio aluno, pedido de informação, descrição de objectos, imagens, pessoas, paisagens, etc.). Apresentamos, a seguir, algumas sugestões para o desenvolvimento das habilidades de ouvir e falar (oralidade), baseadas na abordagem comunicativa, por exemplo, leitura de imagens, situações de comunicação e dramatização.


Assista à Videoaula

Nota: O conteúdo deste vídeo contém o mesmo conteúdo do texto do Manual