Módulo 5 | Ensino-Aprendizagem da Leitura e Interpretação de Textos

Aula 3 | A Compreensão Leitora

A compreensão leitora

A compreensão é a principal habilidade da leitura. Compreender um texto requer conhecimento prévio do tópico, incluindo vocabulário a ele relacionado. Compreender um texto é fazer uma análise objectiva do mesmo, descodificar e verificar o que realmente está escrito, apropriar-se das principais palavras e ideias presentes no conteúdo e colher dados e informações concretas.

Para que haja uma boa compreensão de leitura, é necessário que o professor seleccione materiais que reflictam a vivência do leitor (aluno) de modo a que este tenha já conhecimento básico, vocabulário e experiência própria para dar sentido ao texto. Todavia, à medida em que o aluno adquire vocabulário e experiência, os textos devem convidá-lo para conhecer outras realidades e experiências.

Para uma demonstração dos elementos da compreensão, tomou-se como referência um texto narrativo (conto popular) da língua macua. Todavia, com algumas adaptações, o raciocínio pode ser usado para explorar outros tipos de textos. Por exemplo, elementos da história, reconto, entre outros, só se aplicam ao texto narrativo, mas previsão, ideia principal do texto e inferência aplicam-se a qualquer texto.


Texto

Havara ni Khapa

Havara aari mwaamunama howiiphwanyaxa antuphini. Aahikhalana imatta sinceene ni sitokotoko. Saanikhala soolya sinceene. Aaniruwerya ikhutte, nttesa, mattiyokho, kharaka, nakhuwo ni meele. Aahikhalana tho miri soowiima soolya: minika, mimanka, mararance, ni mipaphaya. Aanihuwa inama ntoko: ipuri, ilyakhu, marattha ni ipwitthipwitthi.

Havara aatthuna okhalana musurukhu owaatta. Timaana ahaalyaawe soolya ni inama sawe. Waamusivela othumiha paahi.

Havara aakhanleru othaaciri, eetta aweren’yaka vamosa ni amusiawe yaakhala oowereyiwa. Yaakhalasa ookhulumuwa, ohiya makattamiho yaarinaaya mwiirutthuni.

Yena ni amwaarawe yarina exapala (nrapala) yoowuumelela ni yooweela mahinyaari. exapala aya yaamokhaviya. Axaana awe ootheene yaahikhalana makhwatta mmettoni yaahaana irukulo, matata, ikhove, ni metto inyaa sowiipakelana.

Va nihikuni, havera a ovaanela ni amwaarawe. Olavula so o:

– Mi kanamuhakhu oovikana inama sootheene. Kookhalana ipuri ni ilyakhu. Kookhalana miri sa mihokhorokho ni nttimpe (ewoorotha). Nkineemele ovara nteko mahiku otheene. Hiyo ninnikuxa soolima sahu niroyihaka opasari otumiha. Ninturuwa ni musurukhu owaatta. Niwoko na xeeni exapala ahu enikhala yoowereyiwa?

Niwoko na xeeni axaana ahu ankhalaya ni makhwatta ni ikhove soowiipakasa?

Ooweeli yaahokhala okathi munceene yuupuwelaka yeeyo. Amwaarawe yaahimwiirela:

– Orowe walavule ni Khapa. Owo onnisuwela itthu sinceene. Owo osuwelasa.

Havara aahirowa olavula ni Khapa. Owo aavara muteko. Aatomoxa imanka sikithi ni soottokottha. Havara ahikilaathi ni omukoha:

– Ari ehaali xeeni amwaarinyu?

Khapa ahaakhula:

– Awo ari salaama. Ammurukula matthuvi. Nankha awawo ari ehaali xeeni?

– Aahikoha Khapa.

Havara ahaakhula:

– Awo ari owaani. Ari ookhulumuwa ni khavanre etthu olelo. Ari ehaali xeeni anamwane awo?

– Havara Amukoha Khapa.

Khapa ahaakhula:

– Awo ari salaama. Nankhi awawo?

– Aakoha yoowo.

Havara ahaakhula:

– Anamwane aka oteene ari ni makhwatta ni irutthu inomwiipakaca.

Muluku ohonivaha muhakhu, nanso okumi ahu khuneetta saana. Niire exeeni?

We woosuwela moota nneerahu nimalihe maxankiho ala?

Khapa ahonkoma ni apacera wuupuwela okathi mwinci. Moowaakuva aaheera:

– Miyo koosuwela mananna oowaakhula! We onophavela olya eyoolya yooreera. Eyoolya eyo enanaakiha iretta ni erutthu enikhala yoolipa.

– Havara aamwi:

– Miyo nkinonto wiiwa elavuliwaka wa soolya iyo!

Sinkhumelela vayi? Sinkhala musurukhu mwinci, kahiyo?

Khapa aamwi:

– Sinkhala cinrowa musurukhu yoowo orinaawo. Mwayeeyo, Munrowa Okhala Thaaciri-xa niwoko wi Munrowa okhalana ekumi yoorera. Nrowe owaannyaka kawoonihere ni eyoolya yooreera.

Extraído de: PROGRESSO (2011): Havara ni Khapa (O Leopardo e o Cágado).

Nota: Versões existentes em Kimwani, Shimakonde, Ciyaawo e Português.


a) Previsão:

Consiste em prever o que se vai tratar no texto. Isso pode ser feito tendo como base as imagens ou o título do texto. As imagens e o vocabulário podem, logo à priori, significar alguma coisa para o leitor. Assim, é necessário que o professor saiba seleccionar um texto para a leitura, cujo título, imagens e vocabulário estejam relacionados.

A previsão envolve usar o que um leitor (aluno) sabe sobre um texto para especular sobre o que acontecerá ou sobre o seu conteúdo. A previsão foca a atenção do leitor e apoia o pensamento para determinar se a previsão está correcta ou não.

Procedimentos didácticos para orientar a previsão

Entre outras estratégias didácticas, a previsão pode ser orientada através de perguntas de exploração da configuração gráfica do texto, isto é, explorando a imagem, o título, a relação da imagem com o título, etc. Isto pode ser feito através de tipos de perguntas como as que se seguem:

  • Observando as imagens, que tipo de animal, objecto, acham que são ou pode ser?
  • De acordo com o que observaram e com o título do texto, o que pensam que se vai tratar na história?
  • Podem dar um título ao texto (se for o caso de textos sem título)?
  • Que outro título podemos dar ao texto (se for o caso de textos com título)?

Com base nestas e noutras perguntas, o professor deve orientar o aluno a elaborar um juízo crítico sobre o que vê e o que acha que se vai desenrolar na história. Para o efeito, é necessário que haja preparação prévia das perguntas e estas devem despertar, no aluno, o interesse pelo que se tratará a seguir.


b) Elementos da história:

São intervenientes da história, isto é, são personagens que praticam acções num determinado tempo e espaço. Para além dos elementos da história, encontramos também o problema e a solução que a história apresenta.

Procedimentos didácticos para orientar a extração dos elementos da história

Tal como a previsão, a extracção dos elementos da história num texto é geralmente feita por meio de perguntas. São, por exemplo, perguntas de natureza curta e objectiva, como as seguintes:

  • Quem? (personagens da história)
  • Onde? (local/espaço da realização da história)
  • Quando? (tempo em que aconteceu a história)
  • O quê? (acontecimento da história)
  • Qual é o problema?
  • Como se resolveu? (solução do problema)
  • Que outra forma o grupo proporia para a resolução do problema?

c) Ideia principal do texto:

A extracção da ideia principal é o ponto alto da compreensão de um texto. É o momento em que o leitor (aluno) consegue explicar o texto completo em poucas palavras ou identificar e reter, dentre vários assuntos, a ideia principal que a história retrata. Explorar bem a previsão e os elementos da história tem extrema importância para se captar a ideia principal do texto.

Procedimentos didácticos para extrair a ideia principal

A extracção da ideia principal de um texto pode ser feita recorrendo a perguntas como as seguintes:

  • De que fala a história do conto em Emakhuwa?
  • Qual é a coisa mais importante que devemos saber sobre a história?
  • Na história com o título “Havara ni Khapa”, qual foi o papel de Khapa?

d) Reconto da história:

Ė a etapa em que o aluno narra, em suas palavras, e de forma ordeira, os acontecimentos da história. Por exemplo, num conto o aluno, ao recontar a história, tem que frisar os quatro momentos fundamentais que são a apresentação, a transgressão, a punição e o ensinamento.

Procedimentos didácticos para o reconto da história

Para facilitar o reconto da história, o aluno pode ser orientado a partir de perguntas que sequenciem os acontecimentos, tais como:

  • O que aconteceu no início do conto “Havara ni Khapa”?
  • E a seguir, como foi o desenvolvimento?
  • Como terminou a história?

Estas e outras perguntas podem ser feitas pelos alunos. Quer dizer, faz parte das actividades de compreensão de leitura, a capacidade que os alunos teriam para fazer perguntas de compreensão e interpretação uns aos outros.


e) Identificação de problemas e formas de solução:

Extrair do texto o problema e a forma como o mesmo foi ultrapassado.

Procedimentos didácticos para identificação de problemas e formas de solução

A identificação e as formas de solução de um problema em uma história podem ser espevitadas a partir de perguntas elaboradas pelo professor. Usando o exemplo do texto “Havara ni Khapa”, o professor pode colocar as seguintes perguntas:

  • Qual era a preocupação de “Havara”?
  • O que “Havara” fez para resolver o seu problema?
  • Como é que “Khapa” ajudou “Havara” a resolver o seu problema?

f) Inferência:

O aluno faz o uso dos seus próprios conhecimentos, vivências e suas experiências e, juntamente com as ideias do texto, procura compreender informações que não são expressas directamente na história. A inferência é um elemento da história que está mais vinculado à interpretação que à compressão.

Procedimentos didácticos para a inferência

  • Para orientar o aluno a fazer uma inferência por forma a entender uma mensagem mesmo que não esteja explicitamente referida no texto, o professor pode formular perguntas do tipo:
  • Tendo como base a história, será que “Havara” conhecia “Khapa”?
  • Diga por que é que você pensa assim.
  • Na sua opinião, “Khapa” teve bom procedimento? Porquê?

g) Identificação de palavras que exprimem sentimentos:

O conhecimento das palavras e expressões do texto pode ajudar a identificar os sentimentos das personagens referidas no texto. É nesta fase em que o aluno se sente intimamente ligado à história, pois estes sentimentos podem apelar à empatia do aluno em relação a um certo personagem.

Procedimentos didácticos para orientar a identificação de palavras que exprimem sentimentos

  • Para a identificação de palavras ou expressões que exprimem sentimentos, o professor pode recorrer a perguntas que remetem o aluno a buscar passagens textuais que se referem à caracterização emocional dos personagens. Para o texto apresentado, pode-se formular as seguintes perguntas:
  • Qual era o sentimento de “Havara” quando decidiu conversar com a sua esposa?
  • E o “Khapa” como é que estava emocionalmente quando “Havara” lhe contactou?
  • Representa o sentimento de “Havara” através da expressão facial.

h) Identificação da moral da história:

A moral da história é a lição que o autor quer que os leitores aprendam através da história. Em classes iniciais, é extremamente importante que o aluno saiba que, em tudo o que lê, aprende algo.

Procedimentos didácticos para orientar a identificação da moral da história

Os alunos podem extrair lições diferentes sobre a mesma história. É importante que o professor saiba valorizar as lições apresentadas pelos(as) alunos(as). Por fim, ele pode apresentar a sua versão, sem, no entanto, influenciar o pensamento dos(as) alunos (as). As perguntas a seguir são típicas para a identificação da moral da história:

  • Qual é a moral da história?
  • Que lições tiram a partir da história lida?

Atenção!

É importante que, ao orientar as perguntas para verificar a compreensão textual, o professor tome em consideração as vivências dos alunos. Por exemplo, pode fazer perguntas como:

  • Que partes da história são semelhantes e ou próximas às das suas realidades?
  • Que partes da história são distantes das suas vivências?
  • O que aprenderam com a história (lições tiradas das histórias orais e escritas na sua língua primeira)?

Será através destes estímulos que o aluno será capaz de chegar ao último elemento da compreensão, que é a continuação da história com base no conhecimento do texto.


i) Continuação da história com base no conhecimento sobre o texto:

É o momento de exploração de diferentes ideias, desenvolvendo conversas que permitem construir suas próprias habilidades de comunicação oral. Para tal, é necessário que o professor estimule a continuação da história pelos alunos com base nos elementos que o texto apresenta, imaginando caminhos que a história pode tomar para continuar e chegar a um final diferente.

Procedimentos didácticos para continuação da história com base no conhecimento sobre o texto

O professor pode estimular a continuação da história pelos alunos com base nos elementos que o texto admite. Por exemplo, formulando perguntas como:

  • A história “Havara ni Khapa” tem um desfecho? Porquê?
  • Imagine que caminhos a história pode tomar para continuar e chegar ao fim?

Sugestões gerais para o ensino da leitura virada para a compreensão

Em geral, a compreensão de um texto, como parte das actividades de leitura, tem sido menos explorada em sala de aula. O pouco que se explora tem sido a compreensão de pequenos trechos, principalmente palavras, frases ou funções gramaticais de fácil localização no texto. Ademais, os textos escolhidos para a leitura são, geralmente, narrativos e poéticos. Textos informativos, didácticos e remissivos, que são, por excelência, textos que conduzem à compreensão, são menos explorados.

De entre os vários procedimentos didácticos para uma actividade de leitura virada para a compreensão e interpretação, o professor deve:

Estes e outros procedimentos ajudam o professor, e o próprio aluno, a aferir melhor o nível de compreensão a que chegou sobre um determinado texto. Implicitamente, estaria a trabalhar alguns aspectos do funcionamento da língua sem, no entanto, precisar de formular questões que tradicionalmente são usadas para trabalhar a gramática em aulas de línguas.


Na compreensão de um texto, intervêm aspectos de funcionamento da língua. Na aula que se segue, você vai aprofundar os seus conhecimentos sobre o funcionamento de língua e reflectir sobre os procedimentos didácticos de ensinar a gramática na sua língua moçambicana de trabalho.


Assista à Videoaula

Nota: O conteúdo deste vídeo contém o mesmo conteúdo do texto do Manual